Você está aqui: Página Inicial / NuMI-EcoSol / Metodologia

Metodologia

O termo “método de incubação” abrange o conjunto de comportamentos da incubadora como organização, correspondentes a aspectos que foram se evidenciando, nos anos de prática e avaliação dos resultados alcançados, bem como de reflexão conceitual e teórica sobre esta prática, como essenciais no processo de constituição de empreendimentos econômicos solidários.

Embora apresentem a incubação como parte do escopo de atuação comum, diferentes incubadoras adotam diferentes estratégias e enfoques em seu método de incubação. Com poucas exceções, as incubadoras universitárias costumam representar sua forma de trabalho por meio de “etapas”, e estas em geral são (ou incluem) “pré-incubação”, “incubação” e “desincubação”.

No caso do NuMI-EcoSol o método de incubação é apresentado na forma de categorias abrangentes de comportamentos esperados dos integrantes do núcleo ao interagir com a população com vistas à criação e consolidação de empreendimentos solidários, representa uma síntese coletivamente construída dos acordos da equipe em termos daquilo que, sendo desenvolvido neste processo, tem levado ao alcance de resultados pretendidos, e daquilo que, a partir das experiências concretas, e de reflexão sobre estas, surge como novos desafios neste processo.

O método de incubação do NuMI se diferencia da forma de trabalho da maioria das demais ITCPs por três características: 1) não apresentava a obrigatoriedade de um momento de desincubação do EES; 2) prevê a possibilidade de provocar por iniciativa própria processos de incubação, após análise de viabilidade e condições para tal e; 3) apresenta um conjunto de comportamentos a serem trabalhados na condição de incubação. O Método de Incubação fornece as bases de o quê deve ser promovido com os empreendimentos e permite aos integrantes do NuMI uma compreensão global de como está o seu trabalho frente ao que é esperado.

Em relação a não prever uma etapa de desincubação, a equipe do NuMI-EcoSol tem considerado que é desejável sempre haver a ampliação da autonomia do empreendimento no que se refere à autogestão, aos princípios da Economia Solidária e à capacidade do empreendimento em superar suas dificuldades. Assim, não seria necessário estabelecer previamente uma condição de rompimento de parceria, salvo situações que a justifiquem. Ao invés de “romper” a relação com o empreendimento, espera-se que este passe a ser um parceiro do NuMI, atuando conjuntamente para o fortalecimento das ações e do movimento de Economia Solidária em seus diversos níveis.

Após algumas revisões, a versão mais recente do Método de Incubação feita em 2012 conta com 22 comportamentos que a equipe do NuMI deve promover. Os comportamentos são descritos divididos em quatro partes: a) em que situação o comportamento ocorre ou deveria ocorrer; b) o que a equipe do NuMI leva ou deveria levar em consideração; c) o que é esperado como resultado desta ação e; d) como o membro do NuMI deveria atuar para processar as demandas para o comportamento em questão. Este último, embora seu título possa sugerir uma condição pré-estabelecida de ação por parte do membro do NuMI, na realidade é um conjunto de possibilidades de atuação, sem definir especificamente como o sujeito deve realizar a tarefa. Também não consta no Método de Incubação os instrumentos para avaliar os resultados – estes muitas vezes dependentes de observação – tais como aumento na autonomia, aumento na autogestão ou população esclarecida quanto a algum conceito ou condição. Isso ocorre pelo entendimento de que cada pessoa ou equipe deve encontrar a melhor forma de avaliar sua intervenção junto ao empreendimento.

Os comportamentos descritos na última versão de 2012 são os seguintes:

1) Processar demandas para incubação de empreendimentos solidários;

2) Identificar população em potencial para formação de empreendimento solidário;

3) Caracterizar diferentes envolvidos no processo de incubação;

4) Apresentar a Economia Solidária como possibilidade de organização para geração de trabalho e renda, o NuMI e sua proposta de trabalho;

5) Apoiar a organização inicial do grupo para tomada de decisões a respeito de formação de empreendimento solidário e suas características gerais;

6) Elaborar proposta de trabalho, em conjunto com participantes do grupo a ser incubado;

7) Assessorar o grupo para escolha de atividade econômica;

8) Promover formação contínua e permanente de todos os membros do grupo em Economia Solidária de todas as maneiras possíveis;

9) Promover formação contínua e permanente de todos os membros do grupo para autogestão;

10) Promover condições para capacitação técnica contínua e permanente de todos os membros do empreendimento para o serviço/produção ofertado pelo empreendimento;

11) Promover elaboração participativa de normas de funcionamento do empreendimento;

12) Assessorar o grupo para a legalização do empreendimento;

13) Assessorar grupo para implantação do empreendimento;

14) Assessorar grupo para implantação de sistema de monitoramento por meio de indicadores;

15) Assessorar grupo esporadicamente para implementação do empreendimento;

16) Assessorar grupo para participação em redes de cooperação e em iniciativas do movimento de Economia Solidária;

17) Assessorar o grupo incubado para lidar com processos de produção e uso de conhecimento e tecnologia;

18) Assessorar o grupo para construir e manter parcerias;

19) Promover condições favorecedoras para que agentes e agências sociais estabeleçam parcerias com estes empreendimentos e iniciativas;

20) Assessorar empreendimentos para a adoção de práticas de consumo ético, solidário e responsável;

21) Assessorar empreendimentos para comercializar seus produtos e serviços e;

22) assessorar empreendimentos para planejar e aplicar estratégias de divulgação.

A elaboração, avaliação e aprimoramento do Método de Incubação sempre em conjunto com a equipe do NuMI evidencia a condição de acordos coletivos estabelecidos para as ações do núcleo, sendo isto parte do próprio processo de intervir e da reflexão das práticas. Para essa construção e sistematização também são consideradas as contribuições conceituais trazidas pela equipe, advindas de todas as áreas de conhecimento com que o NuMI tem contato por meio de sua equipe. Nesse sentido o Método de Incubação é um documento que sempre será avaliado e atualizado, em que a “versão mais atual” representa um recorte do acúmulo de conhecimento em relação ao processo de incubar naquele momento e que gradualmente se desatualiza de acordo com as novas sistematizações e experiências vividas pelo coletivo neste processo, fazendo com que o Método de Incubação seja sempre um documento em processo de melhoria permanente.

Para baixar o documento do Método de Incubação na integra clique aqui.